Pesquisar neste blog:

terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

Relembrar pra não repetir


Aproveitando que está chegando a grande noite do cinema, vou fazer um repost de um texto que escrevi para o portal de gestão de projetos PMKB pouco após o Oscar do ano passado...

"
Anatomia de um erro


Não houve destruição, danos materiais, feridos nem morte. Mas, em termos de imagem, reputação profissional e abalo emocional, o fiasco no anúncio do Melhor Filme no Oscar de 2017 foi uma verdadeira catástrofe. E, como toda catástrofe, não foi causada por um só erro, mas uma sucessão deles. O que resta é entender o que aconteceu e tirar lições importantes, para que não sejam repetidas. Mesmo quem nunca vai ter ocupação ou projeto relacionado com anúncio de vencedores tem o que refletir.


O cenário

Considerada a maior premiação mundial do cinema, a cerimônia de entrega do Oscar é um evento formador de opinião em diversas áreas e que já chegou a 55 milhões de espectadores nos EUA, atraindo outras centenas de milhões ao redor do mundo todo ano. Além de promover um aumento considerável das bilheterias dos vencedores, pode também nortear a empregabilidade de vários envolvidos na indústria cinematográfica, ditar moda e engajar discussões políticas. Os premiados são guardados com extremo sigilo nem tanto pela graça da surpresa do anúncio ao vivo, mas porque também movimentam o milionário mercado das casas de apostas tradicionais e de sites globais.


Como funciona

Os membros da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas (atualmente 6.687 profissionais do cinema entre atores, diretores, produtores, roteiristas, figurinistas, compositores, etc, que incluem brasileiros como Fernando Meirelles, Walter Salles e Fernanda Montenegro) votam para escolher os indicados em 24 categorias, dentre os filmes lançados no ano anterior que atendem às regras de elegibilidade da Academia. Após a divulgação dos concorrentes de cada categoria, inicia-se a votação que define o vencedor em cada uma delas. A festa de premiação é normalmente marcada para cerca de um mês após e os membros têm prazos determinados para submeter por correio os seus votos. A empresa de auditoria e consultoria PricewaterhouseCoopers (PwC) é a responsável pela contabilização sigilosa dos votos - somente dois de seus membros se envolvem no processo e ficam sabendo o resultado, sob forte acordo de confidencialidade. Estes dois membros da PwC montam os envelopes com os cartões que apontam o vencedor de cada categoria. No cartão há o nome do vencedor e logo abaixo o filme pelo qual ganhou o prêmio. No rodapé, em letras pequenas, está escrito a categoria. No caso de Melhor Filme, a única diferença é que primeiro vem o nome do filme e logo abaixo o nome dos produtores do mesmo. São gerados dois envelopes para cada prêmio, sendo que cada um dos dois consultores fica com uma cópia durante a cerimônia. Nos bastidores da premiação, um consultor se posiciona à direita do palco e outro à esquerda, para atender aos apresentadores. Quando um consultor entrega o envelope que vai ser aberto, o outro elimina a sua própria cópia. Além disto, ambos memorizam todos vencedores para atuar com rapidez caso algum imprevisto aconteça.


Principais envolvidos na gafe do Oscar 2017

Warren Beatty e Faye Dunaway - atores veteranos, do clássico Bonnie e Clyde - Uma Rajada de Balas, que foram escolhidos para apresentar e entregar o último e mais importante prêmio da noite: Melhor Filme.
Brian Cullinan e Martha Ruiz - experientes consultores da PwC, designados para este Oscar
Produtores de La La Land: Cantando Estações - considerados os favoritos para vencer Melhor Filme
Produtores de Moonlight: Sob a Luz do Luar - considerados como a maior ameaça a La La Land
Emma Stone - atriz de La La Land que veio a vencer Melhor Atriz, o antepenúltimo prêmio da noite


O que todo mundo viu

Quando chegou o grande momento, Warren Beatty abriu o envelope de Melhor Filme e, sorrindo, hesitou durante alguns segundos. A plateia riu, achando que ele estava querendo aumentar o suspense. Ele acabou mostrando o cartão para Faye Dunaway que anunciou La La Land como Melhor Filme. Os produtores subiram no palco, levando consigo a equipe e elenco, e começaram seus agradecimentos, já com as estatuetas em mãos. Aos poucos se formou um vai-e-vém atrás dos discursantes e, longos minutos depois, um produtor de La La Land acabou informando que havia um erro e mostrou o cartão do verdadeiro vencedor: Moonlight. Todo um constrangimento se estabeleceu e Warren Beatty foi ao microfone esclarecer que no envelope dele estava escrito "Emma Stone - La La Land", por isso havia hesitado. Finalmente, os produtores de Moonlight apareceram para -sem graça- receber o prêmio e agradecer.

Foto: Produtor de La La Land mostra o cartão de Melhor Filme


A sequência de erros

1) O consultor Brian Cullinan não eliminou seu envelope de Melhor Atriz depois que Martha Ruiz entregou o seu para o apresentador que anunciou Emma Stone como vencedora. Há relatos de que Brian 'twittou' ferozmente durante a noite, inclusive colocando uma foto da Emma Stone nos bastidores com a estatueta na mão;

2) Warren Beatty, sob pressão, imaginou que podia ter algo errado - afinal, Emma Stone não era produtora de La La Land, mas não agiu. Aliás, agiu errado: a) falhou em perceber que embaixo, em letras pequenas, estava escrito Melhor Atriz; b) não buscou assistência com um dos dois consultores da PwC; c) mostrou o cartão para Faye Dunaway achando que ela não ia simplesmente ler o nome do filme, mas que iria tentar ajudá-lo a decifrar o que estava acontecendo;

3) Faye Dunaway simplesmente leu o nome do filme, ignorando os demais dizeres;

4) Os produtores de La La Land, no calor do momento, dá para entender, sequer olharam para o cartão escrito Emma Stone;

5) Martha Ruiz e Brian Cullinan demoraram, muito, para reagir e corrigir.


Foto: Warren Beatty segurando o envelope errado


Lições Aprendidas

Atenção aos procedimentos:
Brian Cullinan cometeu a falha inicial e principal da catástrofe. Não seguiu os procedimentos, deixou de executar uma ação simples. Muito comum em, mas não exclusivo de, profissionais experientes como ele, a tendência de subestimar tarefas fáceis e corriqueiras pode ser o pilar de um erro fatal. E, novamente Brian, junto com Martha Ruiz, não soube aplicar o procedimento que demandava uma reação rápida e precisa em caso de engano no anúncio do vencedor.

Comunicação correta:
Alicerce do sucesso ou fracasso de qualquer projeto, empreendimento ou relacionamento, a comunicação (ou a falta dela) foi primordial para agravar a falha. Começando por Brian Cullinan, que utilizava a ferramenta de comunicação errada (Twitter), no momento errado, para as pessoas erradas. Warren Beatty não soube aproveitar a totalidade da informação escrita que lhe foi entregue, não se permitiu comunicar com as pessoas que poderiam precisamente esclarecer sua dúvida e apenas deixou subentendida sua intenção ao mostrar o cartão a Faye Dunaway. Ela, por sua vez, cometeu a mesma primeira falha de Warren e ainda deu o golpe final fazendo o anúncio publicamente.


Desta vez tudo isto pode ser visto só como uma gafe que mexeu com os ânimos de alguns milionários de Hollywood, causou o afastamento de dois consultores da PricewaterhouseCoopers, rendeu centenas de memes internet afora e marcou negativamente a história do Oscar para sempre. Mas, desatenção e falha de comunicação podem ser o que separa a normalidade de uma verdadeira tragédia.
"

Particularmente, se eu fosse o apresentador do Melhor Filme este ano, abriria o envelope e diria: "Ah, o envelope certo!", seguido de: "Moonlight!", antes de dar uma pausa e anunciar o verdadeiro vencedor.

quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

Horas escuras com Winston


O tema já foi explorado quase que à exaustão na sétima arte. E, tratando-se de uma passagem histórica plenamente conhecida, a missão de O Destino de Uma Nação era ainda mais difícil. Mesmo assim, o longa de Joe Wright consegue deixar sua marca.

Não são apresentadas novidades sobre os bastidores dos primeiros dias de Winston Churchill como Primeiro Ministro Britânico, nem tampouco revelações inéditas sobre sua vida pessoal. Para quem por acaso não conhecia, ou não se lembrava, os desdobramentos do ponto de maior impacto e suspense já haviam sido revelados meses antes no Dunkirk de Christopher Nolan. Restou ao filme, então, se concentrar e se apoiar no brilho de Gary Oldman.


Como um Daniel Day Lewis em Lincoln, Oldman simplesmente é Churchill. Facilmente o público é levado a se esquecer do ator para passar a enxergar apenas o personagem. Transfigurado sob uma maquiagem perfeita, o veterano não se limita a uma imitação de maneirismos e tom vocal, nem se esconde atrás dos tradicionais chapéu e charuto. O que acontece em tela é uma verdadeira imersão na figura histórica. E o roteiro ajuda a humanizar um líder estereotipado pelos seus feitos.

Confinando a maior parte da trama dentro de prédios governamentais, Joe Wright fica sem muito espaço para exercer sua criatividade e não repete o impacto visto em obras anteriores, como no excelente Desejo e Reparação. Mas, as tentativas estão presentes e mesmo carregado em (e por) diálogos, o filme flui em bom ritmo, sem nunca entediar. O que falta é estabelecer um senso maior do que estava em jogo, talvez atrapalhado pelo tom leve, quase humorístico, que perdura em quase toda a produção.

Se a ideia é experenciar a Operação Dínamo, Dunkirk é a melhor escolha. Para quem quer apenas passar alguns dias com Winston Churchill (e testemunhar uma fantástica atuação de Gary Oldman), O Destino de Uma Nação é seu destino.


O Destino de Uma Nação (The Darkest Hour), 2017




segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

Só a forma é pouco


Abrindo com “Aconteceu muito tempo atrás... no reino de uma princesa sem voz...  uma história de amor e perda... e do monstro que tentou destruir tudo” ao som de uma bela e bem típica trilha sonora, o cineasta Guillermo del Toro de cara estabelece uma natureza fabulosa para seu já aclamado e premiado A Forma da Água. Tido como uma mistura de fantasia e romance, a história sobre uma mulher muda que se envolve com um ser (o Homem-Anfíbio, segundo os créditos), que está preso no laboratório secreto no qual faz faxina, é muito mais fantasia que romance. Embora acredite piamente que não.

Construído de forma meticulosa, repleto de detalhes e tecnicamente deslumbrante (com direção de arte, cenografia, maquiagem, efeitos visuais e fotografia incontestáveis) o filme fraqueja no roteiro. E no romance. As atuações marcantes do elenco principal disfarçam, mas não apagam, a faceta unidimensional dos personagens, desde a protagonista deficiente até o antagonista sádico. E não consertam o modo corriqueiro e artificial com que o vínculo entre a mulher e a criatura é criado. Se o público não consegue simpatizar com um relacionamento desses, o filme vai (perdão do trocadilho) por água abaixo. E, ao contrário de incontáveis outras produções que já cativaram com o laço entre humano e criatura, A Forma demanda muito do espectador.


Isto se dá, principalmente, porque del Toro não está preocupado com romance. Desde os primeiros minutos, fica bem claro que a protagonista, no marasmo de seu dia-a-dia, não é carente de afetividade, mas sim de sexo. Ouvir música, bater um papo em linguagem de sinais, matar o tempo em boa companhia e... compartilhar ovos cozidos, isto tudo ela pode fazer (e já faz) todos os dias com o seu vizinho, gay dentro do armário. O ápice de seu relacionamento com o homem-anfíbio é “partir pros finalmentes” na primeira oportunidade. (Lá vem spoiler até o fim do parágrafo) Apesar de estampar o pôster do filme, o beijo do amor verdadeiro -com, vejam só, uma mistura do improvável de A Bela e Fera, a salvação de A Branca de Neve, a transformação “sou parte do seu mundo” de A Pequena Sereia e até o sapatinho caindo de Cinderela- só se dá nos segundos finais e já ofuscado por sessões de coito interespécies. Caso se esforçasse para construir um vínculo mais verossímil e tangível, o filme conquistaria um público maior. 

E não é o caso de pedir ao roteiro para procurar saídas fáceis com o objetivo de direcionar as emoções do espectador. Porque isso ele faz, em mais de uma situação, como a do atendente de restaurante que, após rejeitar uma investida do personagem homossexual, não somente se mostra homofóbico, mas também racista, contra um casal de negros que oportunamente acaba de entrar no estabelecimento. Uma escolha nada sutil, a exemplo das inúmeras que acercam o vilão vivido por Michael Shannon.

A forma de A Forma demonstra que del Toro continua um diretor com uma criatividade visual singular. E quase esconde sua deficiência na criação de histórias.


A Forma da Água (The Shape of Water), 2017