Pesquisar neste blog:

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Filme para o fim do mundo


Amanhã, segundo os Maias, o mundo acaba.

Embora tenha ficado tentado a fazer como todos os blogs e sites de cinema devem estar fazendo, e compilar uma lista com os "melhores", "piores", "mais realistas", "mais absurdos", etc... "filmes sobre o fim do mundo", decidi por algo um pouco diferente. Vou comentar sobre uma produção apenas. Mesmo porque se o mundo for acabar mesmo, não vai dar tempo de ver tantos filmes.

O Abrigo (Take Shelter) é um filme de 2011 que foi injustamente desprezado pelas distribuidoras nacionais e veio diretamente para as locadoras no Brasil. Ambientada numa pequena cidade americana, a história é centrada num intenso drama familiar, desencadeado por um homem que, ao ter sonhos e visões apocalípticas, começa a tomar decisões que afetam seu trabalho e seu casamento.


Diferente de grandes produções que tratam do tema, este projeto independente é introspectivo e alegórico. Recorrendo às excelentes atuações de Michael Shannon e Jessica Chastain e a um roteiro afiado, em vez de efeitos especiais grandiosos, o filme consegue conquistar a cumplicidade do espectador e envolvê-lo nas angústias do personagem principal. Com o mundo atual em plena instabilidade econômica, ameaçado por atentados e conflitos e onde a síndrome do pânico afeta um número cada vez maior de pessoas, a nossa racionalidade nos faz automaticamente torcer para que aquele homem não ceda à sua paranóia. Mas, a nossa fragilidade perante o desconhecido nos deixa com a dúvida: e se não for um distúrbio mental e sim uma profecia? O instinto de proteger a família não fala mais alto?

O Abrigo é essencialmente um filme sobre o sinal dos tempos. Sinal dos nossos tempos. Se é efetivamente sobre o sinal do fim dos tempos, precisaremos discutir depois que assistirem ao filme.

Se os Maias estiverem errados, claro.

Um comentário:

  1. O dia acabou e o mundo não...

    Alguém tem comentários sobre O Abrigo?

    ResponderExcluir